Portugal: Paulo Catarro foi dispensado da Sonangol

Novo presidente em Angola e despedimento de Isabel dos Santos da Sonangol levaram à saída do português. Há um ano causou muita polémica a “transferência” do correspondente da RTP em Luanda directamente para a empresa petrolífera do regime.

Paulo Catarro é mais uma das “vítimas” das mudanças de poder na Sonangol. A exoneração de Isabel dos Santos da presidência do Conselho de Administração da Sonangol, em Novembro de 2017, levou à saída de alguns dos seus colaboradores mais próximos.

Paulo Catarro e a nova administração – presidida por Carlos Saturnino (uma escolha pessoal do novo presidente de Angola, João Lourenço) – chegaram a um entendimento para a rescisão.

Paulo Catarro, recorde-se, saiu directamente da RTP em Luanda (onde foi correspondente oito anos) para consultor de comunicação da empresa pública de petróleos de Angola. Catarro saiu em Fevereiro de 2017 da RTP e entrou em Março do mesmo ano na maior empresa de Angola.

A mudança causou alguma polémica em Angola. O próprio Paulo Catarro – na altura em entrevista à SÁBADO – criou algumas resistências para confirmar a sua entrada na Sonangol e as funções que ia desempenhar.

Recusou também qualquer insinuação de que a sua entrada na Sonangol – a maior empresa pública do regime – fosse uma espécie de prémio pela sua prestação como jornalista da RTP. Na mesma entrevista, Catarro recusou dizer quando é que foi convidado pela empresa e por quem.

Paulo Catarro – que apareceu este mês em Portugal como comentador desportivo da TVI 24 – recusou responder à revista Sábado sobre a sua saída da Sonangol. A assessoria de imprensa da empresa não atendeu nenhum dos vários telefonemas.

Fonte: Sábado

Deixe o seu comentário