Presidente João Lourenço prevê aprofundar relações com a China

kalola Store

Angola está a negociar a contratação de financiamentos externos de biliões de kwanzas (cerca de 6.000 milhões de euros), dos quais mais de metade são provenientes da China

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, felicitou na terça-feira o Presidente da China, Xi Jinping, pela sua reeleição para o cargo e antevendo o aprofundamento das relações entre os dois países.

Numa mensagem de felicitações a que a Lusa teve, esta quarta-feira, acesso, o Presidente angolano refere que a recondução de Xi Jinping é “uma inequívoca demonstração do amplo apoio de que beneficia por parte do povo chinês”, que lhe reconhece “todas as qualidades e virtudes necessárias à condução da Nação chinesa” e “para fazer face e vencer os desafios que se colocam no caminho” do país.

João Lourenço acrescenta, na mensagem enviada a Xi Jinping, estar certo que as relações entre Angola e a República Popular da China, neste novo mandato, “vão continuar a aprofundar-se e na perspetiva de que se alarguem também para setores que as tornem cada vez mais dinâmicas, em prol do progresso e do bem-estar dos nossos respetivos povos”.

A Assembleia Nacional Popular (ANP), órgão máximo legislativo da China, votou no sábado por unanimidade a reeleição do Presidente do país, Xi Jinping, para um segundo mandato (2018-2023), na sessão plenária, no Grande Palácio do Povo, em Pequim.

Xi Jinping, de 64 anos, que devido à reforma constitucional aprovada esta semana também pela ANP pode continuar na presidência da China após 2023, foi eleito com 2.970 votos a favor, nenhum contra e zero abstenções.

A Assembleia Nacional Popular da China aprovou uma emenda constitucional que estabelece uma presidência indefinida para Xi Jinping.

O Governo angolano está a negociar a contratação de financiamentos externos de 1,556 biliões de kwanzas (6.000 milhões de euros), dos quais mais de metade provenientes da China, segundo o Plano Anual de Endividamento (PAE) para 2018.

De acordo com o documento, entre estes financiamentos, que estão “em fase de enquadramento”, 42% desse valor, equivalente a 653 mil milhões de kwanzas (2.525 milhões de euros) será proveniente do Industrial and Commercial Bank of China (ICBC).

O Governo angolano, segundo o PAE 2018, elaborado pelo Ministério das Finanças, prevê ainda contratar 9% desse total – 140 mil milhões de kwanzas (540 milhões de euros) a contratar junto do Eximbank da China.

“Os financiamentos em fase de enquadramento serão maioritariamente alocados para os setores da Energia e Águas, Construção e Defesa”, esclarece o documento.

Só o projeto do aproveitamento hidroelétrico de Caculo Cabaça, no rio Kwanza e que será a maior barragem de Angola, a construir por empreiteiros chineses e financiado pelo ICBC, contará com desembolsos de 160 mil milhões de kwanzas (618 milhões de euros).

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.