Recessão este ano nos 4,4% e crescimento de 0,6% para 2021

kalola Store

Os analistas da consultora Focus Economics estimam que a recessão económica em Angola fique nos 4,4%, antecipando uma recuperação para terreno positivo em 2021, quando a economia do País deverá crescer 0,6%.

“A economia deverá aprofundar a recessão este ano devido ao duplo choque da pandemia e dos preços baixos do petróleo, mas para o ano o Produto Interno Bruto (PIB) deverá recuperar em linha com a recuperação económica, ainda que mantenha um crescimento marginal”, lê-se na mais recente análise às economias africanas.

No relatório, os analistas afirmam que “o aumento da dívida pública num contexto de desvalorização do kwanza e de perigo de incumprimento financeiro ameaça a estabilidade macroeconómica e prejudica a perspectiva de evolução da economia”.

No documento, a Focus Economics alerta que no primeiro trimestre, a economia deverá ter caído ao triplo da velocidade dos últimos trimestre de 2019, registando de Janeiro a Março uma contracção de 1,8% face aos 0,6% registados de Outubro a Dezembro de 2019.

“A aceleração da queda da economia surgiu no seguimento de uma contracção de dois dígitos no sector do comércio resultante do estado de emergência, que pesou duramente na actividade económica nacional”, aponta-se no documento.

Olhando para além do segundo trimestre, os últimos dados disponíveis, a Focus Economics estima que a recessão tenha abrandado a partir de Junho, mas não o suficiente para permitir um crescimento positivo este ano.

Angola registou 46 novos casos e três mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, anunciou no último domingo à noite o secretário de Estado para a Saúde Pública de Angola, Franco Mufinda, passando a registar 174 mortos e 4.718 casos.

Em África, há 35.299 mortos confirmados em mais de 1,4 milhões de infectados em 55 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 998.463 mortos e mais de 32,9 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço da agência AFP.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.