Senado brasileiro aprova projecto que criminaliza a homofobia

O projecto em causa, que inclui a homofobia na Lei de Racismo, define que aquele que aquele que “impedir ou restringir a manifestação razoável de afectividade de qualquer pessoa em local público ou privado aberto ao público”, ressalvados os templos religiosos, poderá ser punido com pena de um a três anos de reclusão.

“O projecto foi concebido dentro de um equilíbrio, respeitando a liberdade religiosa e o espaço dos templos, mas modernizando a nossa legislação e evitando que outros Poderes, no caso o Poder Judiciário, legisle no nosso lugar”, defendeu o relator do texto, Alessandro Vieira, citado na página da internet do Senado.

O senador Weverton Rocha , do Partido Democrático Trabalhista (PDT), citou um levantamento divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) que aponta o Brasil como líder na violação dos direitos da população LGBTI ( sigla para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgéneros e Intersexuais) há seis anos.

publicidade

“A violência contra pessoas LGBTI é uma perversidade que vem aumentando na sociedade brasileira. Com tamanha crueldade não podemos mais compactuar. É inadmissível que a vida de brasileiros e brasileiras seja dizimada em razão da orientação sexual e/ou da identidade de género dos cidadãos”, frisou Weverton ao justificar a validade do projecto.

No entanto, o texto aprovado na quarta-feira necessita ainda de passar por uma votação suplementar na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Caso seja aprovado nessa segunda volta, o projecto poderá seguir directamente para a Câmara dos Deputados.

A CCJ aprovou também na quarta-feira um projecto de Lei que estende os direitos da Lei Maria da Penha ( nome dado a uma legislação brasileira que garante a protecção das mulheres contra qualquer tipo de violência doméstica) a mulheres transgénero e transexuais.

A proposta, que foi defendida pela senadora Rose de Freitas, seguirá agora para aprovação na Câmara dos Deputados, caso não haja recurso para análise pelo Plenário.

publicidade

Faça já a sua assinatura: formulário de assinatura
Contactos editoriais: jornalkandandu@gmail.com

Publicidade: vivenviaspress@gmail.com

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário