Simples apreciação dos ventos que avocaram mudanças…

O novo Governo da República de Angola abstém-se de conferir descanso à população e aos medias nacionais/internacionais, fustigando-os com “quistas exonerações”, “aplausíveis nomeações”, tardios, mas sempre bem-vindos “cancelamentos de contratos (ilegais)”, e “destruições de monopólios/oligopólios”. Demostrando que, o executivo liderado pelo Presidente João Lourenço, assumiu as suas funções muito bem-avisado, profundamente consciente das mudanças que se faziam/fazem necessárias ao “status quo” nacional.

A última exoneração, das muitas que temos estado a anotar nos últimos dois meses, terá sido talvez a mais aguarda pelas populações. A exoneração de Isabel dos Santos (Presidente do Conselho Administrativo da Sonangol) ontem, quarta-feira 15/11, não vem apenas saciar desejos e acariciar vontades. O afastamento de tão poderosa personalidade, cujo os cordões umbilicais já todos conhecemos, demostra, mais uma vez, a necessidade que sente João Lourenço de temperar/afirmar sua “governação”, de verdadeiramente corrigir o que tem estado mal, mas sobretudo, de controlar os fundos petrolíferos que serão certamente, os fundos usados na implementação dos seus projetos governativos, uma vez que, a indústria petrolífera constitui cerca de 90% do Produto Interno Bruto (PIB) angolano.

João Lourenço tem demostrando bravura, sapiência, condescendência e até mesmo algum “swing político”. É certamente, o líder que os angolanos precisavam há já algum tempo. Veio tarde o João Lourenço, mas veio, veio no tempo que decidiu o destino, este mesmo destino, substantivo masculino que indica o fim ou resultado de uma determinada ação, coisa ou tempo. Este mesmo destino sinónimo de sina, fado, sorte, fatalidade e futuro, nos mostrará no horizonte, o sucesso ou as fatalidades das escolhas executadas hoje.

Por ora, sabe bem respirar os “sopros de esperança” que acariciam os corações dos angolanos, uma esperança que quase morreu asfixiada devido o “cafrique” que lhe tinham aplicado.

“Até, há já quem chame João Lourenço de Pai do Renascimento Angolano” … “JIKULUMESSU”…

Conquanto, é importante não criarmos aquilo que alcunho um “rebanho de expectações empolgas”, um conjunto de expectativas graúdas. O que está a ser feito e bem feio, diga-se em abono à verdade, deve ser aplaudido e encorajado. Mas devemos saber que, a euforia que vivemos hoje, fruto de uma aparente mudança na forma como somos governados, muito se assemelha a esperança e a alegria que sentiram os nossos kotas em “tempos de outra senhora”… De mais a mais, é importante relembrar que apesar do que está a ser feito, o país não livrou-se, ainda, de um dos seus maiores males, “a pobreza”, “os números da pobreza continuam a somar” a “crise económica” também não nos largou, não há divisas ainda, o abastecimento de água e energia elétrica continua medíocre, os índices da delinquência parecem ter aumentado exponencialmente. É certo que, alguns dos problemas aqui expostos, precisarão de mais de dois meses para serem endereçados. Por isso, consignaremos ao novo governo duas dúzias de meses, para auferirmos a assertividade de suas ações.

Até lá, recomenta-se um relativo controlo sobre os anseios e um “bater de bola baixo” … E para satisfação pessoal, gostava de concluir esta crónica com uma frase que usei já em crónicas de outros tempos…

“Que Deus permita aos angolanos chegar…até onde os permitiu sonhar”

Exit mobile version