Soldado angolano morto em confronto com exército congolês

kalola Store

O Governo da província congolesa de Kasai diz que a morte do soldado angolano, na fronteira entre os dois países, foi um acidente. A República Democrática do Congo reclama que as tropas de Angola frequentemente violam os limites do território.

Um soldado angolano foi morto este domingo, 5, por tropas da República Democrática do Congo (RDC) após uma troca de tiros ao longo da fronteira, avançaram as autoridades congolesas.

O ministro do Interior da província de Kasai, Deller Kawino, disse à agência de notícias France Press que o soldado angolano abriu fogo contra oficiais de inteligência congoleses no Kasai, no Sul da RDC. Um dos oficiais ficou ferido. As tropas congolesas responderam ao ataque e mataram-no, disse Kawino.

Antes da troca de tiros, um grupo de soldados angolanos havia avançado três quilómetros no território da RDC, acrescentou o ministro do Interior de Kasai. Um dos angolanos terá registado imagens com um telemóvel.

Autoridades angolanas reclamam o corpo

“As autoridades angolanas pedem o corpo do soldado que foi acidentalmente morto pelas nossas forças de segurança”, disse à AFP o governador de Kasai, Dieudonne Pieme.

“Concordamos em princípio, mas pedimos um relatório que certifique que o soldado foi morto no território da RDC”, concluiu o governador do Kasai. As autoridades angolanas ainda não comentaram o assunto oficialmente.

A RDC e Angola partilham uma fronteira de mais de 2.500 km, além do enclave angolano de Cabinda, que fica entre a RDC e o Congo-Brazzaville.

A RDC denuncia regularmente incursões de tropas angolanas no seu território sob o pretexto de perseguir combatentes rebeldes locais. Em Maio, uma troca de tiros entre o exército congolês e as tropas angolanas no Kasai deixou um homem angolano ferido.

A Vivências Press News contactou o Ministério da Relações Exteriores de Angola e o Governo Provincial da Lunda-Norte para obtermais informação, mas sem sucesso.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.