Sonangol rescinde contrato assinado com PwC por ” conflito de interesses “

kalola Store

Em comunicado enviado à Lusa, a administração liderada desde 16 de novembro por Carlos Saturnino, após a decisão do Presidente angolano, João Lourenço, de exonerar do cargo Isabel dos Santos, refere que a mesma empresa ” tinha já sido contratada como consultora do processo de transformação “, em 2016.

” O término do contrato assenta no facto de que, a adjudicação do mesmo à PwC, conformou um quadro de conflito de interesses “, refere a petrolífera detida pelo Estado angolano, que foi liderada por Isabel dos Santos entre junho de 2016 e novembro de 2017, indicada para o cargo pelo então chefe de Estado, José Eduardo dos Santos.

Além disso, a empresa refere que a contratação da PwC para prestação de serviços de auditoria às demonstrações financeiras individuais e consolidadas da Sonangol E.P e das suas subsidiárias, a vigorar até 2019, anunciada pela administração de Isabel dos Santos a 01 de novembro, não foi orientada pelo chefe de Estado, João Lourenço, no cargo desde 26 de setembro.

” A impelir a petrolífera nacional concorreu igualmente a observância à Lei de Base do Sector Empresarial Público, a qual determina que o perfil do auditor para a Sonangol tem que ser definido pelo titular do poder executivo “, acrescenta a nota.

A administração da Sonangol diz ainda que ” analisados os pressupostos que rodearam a contratação “, conclui -se ” ter havido uma alteração substancial das circunstâncias que determinaram a realização do concurso para a aquisição dos serviços de auditoria e a consequente adjudicação do contrato”.

” Pelo facto, a Sonangol E.P e a PwC primaram pelo entendimento que ditou o fim do contrato de prestação de serviços de auditoria “, conclui a nota .

Na ocasião, a administração de Isabel dos Santos afirmou que o processo de escolha ” salvaguardou o cumprimento de todos os trâmites legalmente previstos ” e ” incluiu ” etapas adicionais de interacção directa entre as partes , no sentido de reforçar a transparência, equidade e aplicação dos princípios éticos” que regem a actividade da empresa.

A PwC já tinha auditado as contas da Sonangol em 2016, validando-as, mas com “reservas” , nomeadamente na natureza e circunstâncias das ” transacções de diversas naturezas ” que a petrolífera mantém com o Estado angolano, sobre a recuperabilidade de investimentos realizados anteriormente e também pela alteração da política contabilística do grupo.

O resultado líquido consolidado da Sonangol em 2016 foi de 13.282 milhões de kwanzas (70,5 milhões de euros), uma quebra de 72% face ao exercício de 2015, “como resultado de uma diminuição nos resultados financeiros e nos resultados de filiais e associadas “, reconhece a petrolífera, no seu relatório e contas .

Fonte: Lusa.

No tags for this post.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.