Um ilustre Angolano no Farol da Ferraria: Simão Toco

Um homem colocou a localidade de Ginetes na rota dos angolanos. Seu nome? Simão Gonçalves Toco. Em 1963, as autoridades portuguesas, conhecedoras da capacidade de mobilização do profeta e da sua influência junto das populações angolanas, decidem enviar- lhe para um exílio forçado para a Ilha de São Miguel, nos Açores. Aqui Simão Toco permaneceu 11 anos e trabalhou como assistente de faroleiro na localidade de Ginetes.

Simão Toco trabalhou como assistente de faroleiro de 1963 até 31 de agosto de 1974, altura em que é finalmente autorizado a regressar ao seu país. Ao longo deste período, Simão Toco não esmoreceu no seguimento da sua missão, tendo trocando cartas milhares de cartas com os seus seguidores em Angola e com quem viria a formar um movimento de carácter nacional.
Nesta visita de investigação jornalística, Salambende Mucari e a Vivências Press News, estiveram com o Reverendo António Vemba, responsável máximo da igreja Tocoísta em Portugal, e de José Marcelino Kongo ( Marcelino Kongo), docente universitário angolano residente em São Miguel. Tivemos contacto com os livros de registos das actividades do Farol da Ferraria e comprovamos as assinaturas do então assistente de faroleiro ( conforme as fotos registam), uma estatueta que pertencia a Simão Toco, bem como uma foto sua que foi oferecida a direcção do farol por membros da igreja Tocoísta há uns anos. Visitamos também aquela que foi a residência do assistente de faroleiro durante os 11 anos de permanência em Ginetes.

Uma Angola que acontece fora de Angola . E um angolano que acabou por colocar a pequena localidade de Ginetes na rota dos angolanos . Uma reportagem que irão conhecer pela Vivências Press News. S. Miguel, Ginetes, Farol da Ferraria, são nomes que ficam também ligados a história do Tocoísmo e do nacionalismo.
Esta é a primeira de três reportagens que apresentaremos sobre a passagem de Simão Toco pela localidade de Ginetes. Nas próximas ouviremos depoimentos de familiares, antigos e actuais funcionários do farol da Ferraria, académicos bem como líderes e fiéis da Igreja Tocoista.