Vaticano: Mais de 800 freiras acusam padres e bispos

Os tribunais apostólicos e os serviços de quatro congregações da Santa Sé ( Doutrina da Fé, Bispos, Clero e Institutos da Vida Consagrada e Sociedades da Vida Apostólica) têm em curso 428 processos relativos a abusos sobre mais de 800 freiras em vários países, nomeadamente Itália, França, Estados Unidos da América e Chile.

Segundo o que apurou o jornal português Correio da Manhã, só no Chile, um dos países com maior número de casos de pedofilia na Igreja Católica, estão em curso 139 processos e referenciadas como vítimas 245 religiosas.

Em Julho do ano passado, um grupo de freiras chilenas, que deixou a Igreja Católica, relatou abusos sexuais perpetrados por padres, na congregação Irmãs do Bom Samaritano, na cidade de Molina, a 200 quilómetros ao sul de Santiago, e fez saber que as autoridades eclesiásticas ignoraram o caso durante décadas.

As palavras do Papa Francisco, na passada terça-feira, na viagem de regresso dos Emirados Árabes Unidos , inauguraram uma nova realidade no capítulo dos abusos sexuais na Igreja e fizeram detonar uma série de denúncias, a juntar às que o Vaticano já conhecia mas que nunca um Papa tinha reconhecido publicamente.

Apesar de ter dito que Bento XVI fez “um trabalho notável e corajoso” nesta matéria, Francisco foi o primeiro pontífice a dizer claramente que padres e bispos escravizaram e abusaram sexualmente de freiras ” Há sacerdotes e bispos que fizeram isso e ainda fazem”, declarou o pontífice.

Um dos casos mais marcantes foi o da comunidade francesa de Saint Jean, fundada em 1975 pelo padre Marie-Dominique Philippe, onde , sabe-se agora, vários padres, incluindo o fundador, abusaram sexualmente e escravizaram várias freiras, originando casos de depressões, anorexia e suicídios.

Papa debate com 150 bispos e cardeais

O encontro sobre a protecção dos menores na Igreja, marcado para 21 a 23 deste mês, vai reunir em Roma mais de 150 bispos e cardeais.

O Papa Francisco já disse aos bispos de todo o Mundo que quer saber tudo sobre abusos sexuais de menores e freiras, por parte de membros do clero, no encontro marcado para Roma.

É esperado que, após o encontro com os presidentes das conferências episcopais, seja elaborado um documento com regras a seguir.

Fonte: CM

Deixe o seu comentário