Primeiro-ministro espanhol Mariano Rajoy visita Angola a 25 e 26 de março

O primeiro-ministro espanhol vai visitar Angola nos dias 25 e 26 de março. Mariano Rajoy revelou que objetivo da viagem é fortalecer as relações políticas e económicas entre os dois países.

O primeiro-ministro de Espanha, Mariano Rajoy, visita Angola nos dias 25 e 26 de março, na sequência de um convite do Presidente angolano, João Lourenço, confirmou esta quinta-feira oficialmente o Governo espanhol.

O executivo de Rajoy indicou que a visita a Luanda visa fortalecer as relações políticas e económicas, campo que Madrid aponta como tendo “um enorme potencial”, avançou a agência espanhola EFE. Esta visita ocorre num momento de tensão nas relações políticas entre Portugal e Angola, contaminadas pela investigação da justiça portuguesa a Manuel Vicente.

A agenda de Rajoy em Angola inclui um encontro oficial com o Presidente de Angola, João Lourenço, em Luanda, e pelo menos um evento com empresários dos dois países.

No seu discurso de tomada de posse como Presidente de Angola, em setembro de 2017, João Lourenço aludiu à relação prioritária que pretendia estabelecer com vários países, entre eles Espanha. Na mesma ocasião, João Lourenço não mencionou Portugal.

João Lourenço também já tinha feito anteriormente um convite aos investidores espanhóis para que participem na diversificação económica de Angola, bem como nas privatizações que estão na calha em Angola.

As trocas comerciais entre Angola e Espanha ascendem a 864 milhões de euros nos últimos cinco anos, com especial enfoque nos sectores da energia, águas, telecomunicações, petróleo, transportes, indústria, minas e turismo.

O grupo espanhol Indra — com interesses no setor da Defesa — tem vencido os concursos públicos angolanos para o fornecimento de materiais e sistemas para os últimos atos eleitorais em Angola.

Em fevereiro, no âmbito de uma visita preparatória para a visita de Mariano Rajoy, o secretário de Estado das Relações Exteriores de Espanha, Ildefonso Lopez, disse que Angola é um importante parceiro comercial, o segundo maior da África subsaariana, no que diz respeito a aquisição de petróleo.

Ildefonso Lopez disse também, na altura, que Espanha pretende um alargamento das trocas comerciais com Angola no domínio da agricultura e das pescas.

Em cima da mesa está, no entanto, o pedido de repatriamento para Madrid do cidadão português Guilherme Taveira Pinto, acusado em Espanha de ter participado no desfalque de um negócio de um negócio de 153 milhões de euros com a Defex, empresa pública responsável pela comercialização de armas em Espanha.

Tido como intermediário de algumas operações de venda de armas para Angola em tempo de guerra, o papel deste empresário foi reconhecido pelas autoridades locais com a outorga da nacionalidade angolana. A partir de Madrid, a Interpol accionou um mandado de captura, mas sem acordo de extradição entre os dois países, Taveira Pinto continua a beneficiar da protecção de Luanda.

No ano passado, João Lourenço visitou Madrid, então ainda como ministro da Defesa de Angola.

Fonte: Lusa

Deixe o seu comentário