Invasão da China; onde? Tresvario ou fantasmagoria diplomática?

(VPN) Invasão da China; onde? Tresvario ou fantasmagoria diplomática?

por: Eugénio Costa Almeida

No portal Sapo.24 aparecia O podendo mesmo, atingir as ilhas norte-americanas de Guam (https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/eua-alertam-que-china-esta-provavelmente-a-treinar-para-atacar-alvos-no-pacifico).

Naturalmente não porei as mãos no lume por chineses.

Desde sempre que defendi e escrevi que a Coreia do Norte não tinha capacidade económica e científica para, de per si, poder criar e manter um arsenal nuclear, no geral, quanto mais, estar a construir, sozinha, misseis ICBM com capacidade – como define o termo – território norte-americano ou europeu.

Sempre defendi e escrevi que os norte-coreanos mais não eram que homens e local de ensaio das actividades científicas e militares dos chineses, seus “naturais” aliados – mas só desde a crise da península coreana de 1950-1953 quanto aos testes balísticos. Se virmos bem – não quero dizer com isto que tenha sido assim realmente – a corrida aeroespacial chinesa só começou a ter algum impacto depois de que os norte-coreanos começaram a testar seus mísseis de curto, médio e médio-longo alcance.

Pode ter sido coincidência, mas em Relações Internacionais e na Alta Diplomacia, as coincidências são pouco críveis e a “corrida” de norte-americanos, russos e outros europeus para que a Coreia do Norte terminasse ~à época, não na crise recente – os seus testes, mostram isso mesmo. E só aconteceu, de facto, quando a China começou a colocar os seus satélites em órbitra.

Como digo, coincidências em Relações Internacionais e Alta Diplomacia, não são impossíveis, mas

Mas daí os EUA e o Pentágono estarem a afirmar que os chineses estarão a preparar um ataque a vizinhos, incluindo o território norte-americano de Guam é não só absurdo como mostram não compreender a política e a capacidade de resignação (leia-se, paciência) dos chineses.

Quando estes quiserem elaborar e efectuar um ataque de grande escala, nem os EUA, nem os vizinhos, nem o Ocidente estarão devidamente preparados para isso.

E fá-lo-ão quando todas as cartas estiverem nas suas pacientes mãos como defendo na minha Teoria do Mahjong (podem ler no livro « Of the An Instrumentality Power to the Mahjong Theory (…), edição Lambert Academic Publishing, 2015 ou num artigo, do mesmo ano, no semanário Novo Jornal, intitulado «A paciência da política chinesa ou Teoria do Mahjong». Em ambos dou a minha visão e perspectiva. E os tempos não me têm desmentido…

Estou a crer que isto mais não será que um golpe um atirar para a frente –, da administração Trump para abafar as questões económicas e procurar que o único ataque sério e efectivo que os chineses possam fazer, é exigir a liquidação da estrambólica e colossal dívida do Tesouro norte-americano e que tem a China como o seu maior credor

E o presidente chinês Xi Jingping nunca quererá perder a face perante o seu povo, cedendo aos Estados Unidos, por causa das célebres taxas aduaneiras norte-americanas que procuram penalizar produtos chineses.

A realidade tem mostrado que as taxas aduaneiras que Trump tem aplicado sobre os seus parceiros económicos não só não tem melhorado a capacidade financeira dos trabalhadores norte-americanos, como retrata a Moody’s Analytics e alertam antigos conselheiros presidenciais, alguns republicanos, como Rod Hunter, e Adam Posen ou o analista da economia chinesa, Scott Kennedy, como parece indicar um retrocesso preocupante nas antigas e – até agora – sólidas relações entre Washington DC e as capitais europeias e algumas asiáticas.

Parece que, actualmente, as relações mais sólidas acontecem com países cuja política internacional e social deixam muito a desejar. Por exemplo, países como a Arábia Saudita. Até mesmo as relações com Israel aparentam ser menos fortes do que parecia há poucos meses com os sucessivos acordos entre TelAviv/Jerusalém e o Hamas.

O certo é que administração Trump tem conseguido em poucos anos o que os soviéticos e os chineses não o conseguiram em décadas. Colocar os seus habituais aliados, nomeadamente da OTAN/NATO – e (será que os assessores militares conhecem a geografia e a história político-militar do século XX?), em particular, com a Turquia (ainda que não sinta qualquer simpatia por um pseudo-ditador) –, contra os EUA!

Reconheçamos, é obra!

E, no caso chinês – e que está a ser reaproveitado pelos russos, em particular, por Putin – esta atitude norte-americana de desprezar aliados e de fazer algo que os norte-americanos, embora muito normal nos republicanos, estes nunca foram tão longe, de se virarem quase em exclusivo para os interesses internos e desleixarem nas questões externas e internacionais, acaba por ser ouro sobre azul.

Se o continente africano já tinha uma “pintura” muito avermelhada, mais se vai acentuar esta colorização, ainda que com uns pequenos mosaicos onde algum azul e branco moscovita poderá estar implantado.

*Investigador do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL(CEI-IUL) e Pós-Doutorando da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto**

** Todos os textos por mim escritos só me responsabilizam a mim e não às entidades aque estou agregado

Deixe o seu comentário