Isabel dos Santos publica versão alterada da entrevista ao Observador

Gearbest Alfawise V8S Max UV Sterilization + Disinfectant Disinfection Wet and Dry Robot Vacuum Cleaner promotion

Isabel dos Santos publicou nas suas redes sociais uma versão alterada da entrevista que deu na semana passada ao Observador. A empresária angolana anunciou este domingo no Twitter que seria possível ler “a primeira parte” da entrevista no seu Facebook ( um conteúdo premium do Observador, que só pode ser lido por assinantes do jornal). Naquela outra rede social, publicou 14 imagens com a entrevista paginada como se de um jornal se tratasse.

Aquela não é, porém, a entrevista feita e publicada pelo Observador. A nova versão ( entretanto já retirada) tem pequenas alterações nos subtítulos, mas grandes mudanças nos destaques escolhidos e algumas perguntas em falta. Aqui foram postas em destaque as declarações que Isabel dos Santos considerará mais relevantes de tudo o que disse na entrevista que durou duas horas e meia. Muito diferentes dos destaques que, segundo critérios jornalísticos e editoriais, o Observador tinha escolhido.

Além disso, faltam algumas perguntas e respostas, que estariam dentro da primeira parte da entrevista, escolhida para esta versão: as que dizem respeito à proveniência do dinheiro do general Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino”, para deter 25% da UNITEL.

A nova versão de Isabel dos Santos tem também caixas para temas específicos a que o Observador não deu qualquer destaque. A equipa da empresária escolheu também outras fotografias para acompanhar o texto.

Ao final da tarde, a publicação de Isabel dos Santos já tinha sido partilhada dezena de vezes. Depois de um contacto do Observador, por causa das alterações feitas, a publicação foi retirada.

Na entrevista feita pelo Observador na quinta-feira passada, Isabel dos Santos nega ter sido favorecida pelo pai, fala sobre os negócios em Portugal e Angola e das alegadas irregularidades no BIC, critica a política actual do MPLA e revela que não vai a Angola há um ano e meio, por sentir que “não é um lugar seguro”.

Fonte: Observador.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.